Disque Denúncia Procurados

Buscar procurado

Motoboy
Rodrigo da Silva Caetano

  • 1 - Ação: Homicídio Qualificado (Art. 121, § 2º - CP), incisos I, III e IV C/C Destruição, Subração Ou Ocultação de Cadáver (Art. 211 - Cp) C/C Vilipêndio a Cadáver (Art. 212 - Cp) N/F Concurso Material (Art. 69 - Cp)
    2 - Associação Criminosa - Art.288 do Cod Penal (Redação Dada Pela Lei 12.850 de 2013); Furto (Art. 155 - Cp); Receptação (Art. 180 - Cp)
    3 - Roubo Majorado (Art. 157, § 2º - CP), I,II (duas vezes) N/F Concurso Formal (Art. 70 - Cp)
    4 - Roubo (Art. 157 - Cp), § 2º, I
    5 - Roubo Majorado (Art. 157, § 2º - CP), inciso I, II e IV do CP.
    6 -
  • CV - Comando Vermelho
  • Chefe do Tráfico de Drogas
  • Favelas Nova Holanda/ Parque União
  • 08/01/1980
  • Nº. (I.F.P.) 118.994.18 - 5
  • Rio de Janeiro - RJ
  • Procurado

Histórico

Rodrigo da Silva Caetano, o Motoboy, é integrante da facção Comando Vermelho, e faz parte do tráfico de drogas que age nas Favelas Nova Holanda e Parque União, em Bonsucesso. Motoboy seria líder, juntamente com o traficante Luiz Carlos Gonçalves de Souza, o LC, de parte da Favela Nova Holanda, com a aprovação do traficante Amabílio Gomes Filho, o MB.

A 21ª DP (Bonsucesso) fechou um inquérito que apurava a morte do traficante Wladimir Augusto Paz dos Santos, o Mimi, esquartejado em novembro de 2011 na Favela Nova Holanda, no Complexo da Maré. O crime, foi postado com fotos de partes do corpo do traficante, com o título "Massacre da Serra Elétrica", ao som de funk que detalhava o assassinato. Os acusados, todos ligados ao Comando Vermelho (CV), tiveram mandados de prisão preventiva expedidos pela 2ª Vara Criminal.

Os acusados são Rodrigo da Silva Caetano, o Motoboy; Amabílio Gomes Filho, o MB; Israel de Oliveira Silva, o Flecha; Luiz Carlos Gonçalves de Souza, o LC; Wallace Sales da Silva, o Tatajuba (preso)e Jorge Ribeiro, o Bodinho. Todos integram o tráfico de drogas na Nova Holanda e tiveram participação direta no crime. Todos foram indiciados por homicídio qualificado, violação e ocultação de cadáver.

?Mimi? fazia parte da facção criminosa que atua na Comunidade Nova Holanda, no Complexo da Maré e teria aceitado proposta do traficante ?Menor P?, líder da quadrilha rival que atua na Baixa do Sapateiro e Vila dos Pinheiros, para integrar essa facção. Ao aceitar o convite ?Mimi? passou a ser considerado um traidor pelos antigos comparsas. Como não se adaptou aos métodos do novo grupo, o traficante pediu a para retornar à antiga facção e foi atraído para uma armadilha entre as comunidade Nova Holanda e Baixa do Sapateiro.

O traficante Flecha atirou com uma pistola na perna de ?Mimi?, possibilitando que os outros integrantes da quadrilha arrastassem ele para um chiqueiro, onde foi torturado, esquartejado vivo e teve a cabeça decepada. Depois do crime, os traficante desfilaram com as partes do corpo de ?Mimi? pela comunidade como forma de impedir novas traições.

Nos últimos dois anos a Central Disque-Denúncia já recebeu mais de 20 (vinte) informações a respeito a possível localização do criminoso, que costumam promover bailes funks na região, sempre com a presença de traficantes de outras comunidades como: Luciano Martiniano da Silva , o Pezão e Jorge Luiz oura Barbosa, o Alvarenga, chefe do tráfico do Parque União.

A Justiça decretou a prisão de dois criminosos do Complexo da Maré, na Zona Norte, que lucraram mais de R$ 1,2 milhão com o roubo e revenda de mais de 4 mil patinetes elétricos. Rodrigo Silva Caetano, o Motoboy, e Alexandre de Mesquita estão foragidos. Eles apontados como chefes do tráfico da Nova Holanda, que faz parte do conjunto de favelas.

De acordo com as investigações, o grupo vendia os patinetes por R$ 300,00 reais e anunciava os produtos nas redes sociais, com direito a funk. O prejuízo da empresa que administra os patinetes supera os R$ 10 milhões, segundo delegado responsável pelo caso. Flavio Narciso explica como funcionava o esquema criminoso.

Patinetes elétricos são vistos em diferentes regiões do Rio. Os usuários de drogas recebiam cerca de R$ 30,00 em substâncias ilícitas em troca do equipamento.

Cada patinete do modelo que é usado para aluguel custa em média R$ 2 mil, quando vendido de maneira regular. A Polícia Civil deve realizar uma série de ações na Maré para tentar localizar os foragidos.

Quem tiver qualquer informação a respeito da localização do acusado ainda em liberdade, favor informar pelos seguintes canais: Whatsapp ou Telegram do Portal dos Procurados (21) 98849-6099; Central de Atendimento do Disque Denúncia (21) 2253-1177; através do Facebook/(inbox), endereço: https://www.facebook.com/procurados.org/; e pelo aplicativo Disque Denúncia RJ. Visite também o Instagram oficial do Portal dos Procurados ? portal.procurados-.

Mandados

Origem Processo expedição
Plantão Judiciário Processo No 257760-56.2016.8.19.0001 Distribuído em 07/08/2016
35ª Vara Criminal Processo nº 0503714-78.2015.8.19.0001 Distribuído em 25/02/2016
3ª Vara Criminal Processo No 0317743-54.2014.8.19.0001 Distribuído em 24/09/2014
39ª Vara Criminal Processo No 0085763-10.2013.8.19.0001 Distribuído em 28/01/2014
40ª Vara Criminal Processo Nº 0385518-23.2013.8.19.0001 Distribuído em 11/11/2013
Comarca da Capita/2ª Vara Criminal Processo No 0255678-91.2012.8.19.0001 Distribuído em 09/07/2012
41ª Vara Criminal Processo Nº 0007448-89.2018.8.19.0001 Distribuído em 01/02/2018
2ª Vara Criminal Processo Nº 0014249-29.2017.8.19.0042 Distribuído em 28/11/2017
Comarca da Capital 27ª Vara Criminal Cartório da 27ª Vara Criminal Nº do Mandado de Prisão: Processo No 0224172-53.2019.8.19.0001/Prisão Preventiva Data de expedição: 17/09/2019