Disque Denúncia Procurados

Buscar procurado

Julio Cesar de Rio das Pedras
Júlio Cesar Veloso Serra

  • 1 - Homicídio Qualificado (Art. 121, § 2º - CP), I e IV (2 vezes) e V N/F Concurso de Pessoas (Arts. 29 a 31 - Cp) E Organização Criminosa (Lei 12.850/2013), art. 2º, §§ 2º e 3º E Organização Criminosa (Lei 12.850/2013), art. 2º, §§ 2º, 3º e 4º, inc. II E Organização Criminosa (Lei 12.850/2013), art. 2º, § 2º E Corrupção ativa (Art. 333 - CP) E Concurso Material (Art. 69 - Cp)
  • Milícia
  • De acordo com as investigações, Julio é homem de confiança dos chefes da quadrilha, tendo entre suas funções ser responsável pela contabilidade dos negócios do grupo.
  • Rio das Pedras - Jacarepaguá - RJ
  • 03/10/1983
  • Nº (I.F.P.) 005,515.533-24
  • Rio de Janeiro - RJ
  • Procurado

Histórico

Julio Cesar Veloso Serra é ligado a Milícia de Rio das Pedras, em Jacarepaguá. Zona Oeste do Rio de Janeiro. De acordo com as investigações, Julio é homem de confiança dos chefes da quadrilha, tendo entre suas funções ser responsável pela contabilidade dos negócios do grupo.

Documentos comprovam que moradores eram obrigados a alugar determinadas casas e se precisassem de empréstimos não poderiam pegar em bancos ou empresas especializadas. Os moradores eram obrigados a contratar as dívidas junto à associação. Em um dos documentos, o Ministério Público encontrou uma vítima que fez um empréstimo de R$ 100 mil a juros de 6% ao mês.

Em outro, os policiais encontraram o nome de pelo menos 20 pessoas que alugavam casas e apartamentos dos milicianos. De acordo com as provas, que foram analisadas, todas as operações de compra e venda de imóveis passava pelo crivo do ex-presidente da associação de moradores de Rio das Pedras.

Alguns integrantes do grupo de milicianos de Rio das Pedras, também respondem pelo homicídio de Júlio de Araújo, em 24 de setembro de 2015, morto com vários tiros na cabeça da vítima e que seria uma "queima de arquivo", já que ele poderia fazer denúncias sobre crime anterior cometido por integrantes da organização criminosa.

A prisão de Marcus Vinícius Reis dos Santos, de 45 anos, conhecido como Fininho, , faz parte das buscas das autoridades pelos envolvidos com a milícia que comanda as ações nas comunidades de Rio das Pedras e Muzema, na Zona Oeste da cidade.

A quadrilha foi identificada e denunciada numa investigação que deu origem à operação Intocáveis, deflagrada em janeiro deste ano. Da quadrilha identificada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), até o momento, oito investigados foram presos. Cinco se mantêm foragidos, entre eles, Adriano Magalhães, conhecido como capitão Adriano, ex-oficial da Polícia Militar do Rio de Janeiro,

Ajude a Polícia do Rio. Quem tiver qualquer informação a respeito da localização do foragido da Justiça, favor denunciar pelos seguintes canais: pelo Mesa de Atendimento do Disque-Denúncia (21) 2253-1177, pelo Whatsapp ou Telegram Portal dos Procurados (21) 98849-6099; pelo facebook/(inbox), endereço: https://www.facebook.com/procurados.org/, , ou pelo Aplicativo para

Mandados

Origem Processo expedição
Comarca da Capital/4ª Vara Criminal Nº do Mandado de Prisão: 0008202-94.2019.8.19.0001.01.0006-02/Prisão Preventiva Data de expedição: 22/01/2019