Disque Denúncia Procurados

Buscar procurado

QUEM MATOU ?

O Portal dos Procurados divulga nesta segunda, dia 18/03, cartaz com o título de ? Quem Matou? ? para ajudar a Grupo de Ação Conjunta (GAC) - integração entre a Delegacia de Homicídios da Capital e a Polícia Militar do Rio de Janeiro (PMERJ), com informações que possam levar a identificação e localização dos envolvidos na morte do Sargento da Polícia Militar do Rio de Janeiro Carlos José da Silva.

Uma recompensa de R$ 5 mil é oferecida por informações exatas sobre os assassinos do policial militar.

Lotado no Batalhão de Choque - BPChoque - , ele foi morto na manhã deste domingo (17). O policial estava de folga e abastecia seu carro em um posto de gasolina, no bairro do Cachambi, na Zona Norte do Rio, quando foi abordado por criminosos que portavam fuzis. Houve confronto. Após ser baleado na perna e no abdômen, o agente ainda chegou a alvejar um dos bandidos que foi resgatado por comparsas

Levado para o Centro Cirúrgico do Hospital Salgado Filho, no Méier, o agente não resistiu aos ferimentos. Carlos tinha 49 anos e estava há 19 anos na PM. Era casado e deixa três filhos.

Agentes da Delegacia de Homicídios da Capital buscam imagens de câmeras na região para tentar identificar a autoria do crime.

Com a morte do SGT Carlos José, chega a 10 o número de Agente de Segurança assassinados no Rio em 2019.

Quem tiver qualquer informação a respeito da identificação e localização dos assassinos do agente de segurança, favor denunciar pelos seguintes canais: Whatsapp ou Telegram Portal dos Procurados (21) 98849-6099; pelo facebook/(inbox), endereço:https://www.facebook.com/procurados.org/, pelo mesa de atendimento do Disque-Denúncia (21) 2253-1177, ou pelo Aplicativo para celular ? Disque Denúncia ? . O Anonimato é garantido.

Todas as denúncias sigilosas sobre o caso serão encaminhadas ao Grupo de Ação Conjunta (GAC) - formado pelo Núcleo de Investigação de Morte de Policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (NIMP) e o Grupo de Pronta Resposta da Coordenadoria de Inteligência da PMERJ (GPRI) encarregadas do caso e que tem como prioridade prender os envolvidos na morte de agentes de segurança.