Disque Denúncia Procurados

Buscar procurado

QUEM MATOU?

O Portal dos Procurados divulga cartaz com o título de ? Quem Matou? ? para ajudar a Grupo de Ação Conjunta (GAC) - integração entre a Delegacia de Homicídios da Capital e a Polícia Militar do Rio de Janeiro (PMERJ), com informações que possam levar a identificação e localização dos envolvidos na morte do Soldado da Polícia Militar do Rio de Janeiro Leandro Venerando Costa da Silva, de 33 anos.

Uma recompensa de R$ 5 mil é oferecida por informações exatas sobre os assassinos do policial militar.

A Secretaria de Estado de Polícia Militar lamenta a morte do soldado Leandro, ocorrida nesta sexta-feira (8/3). O policial era lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Rocinha e foi ferido durante um confronto com criminosos na localidade conhecida como ?Largo do Boiadeiro?, na Rocinha, Zona Sul do Rio, no início da manhã. Leandro chegou a ser socorrido para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, porém faleceu no final da tarde desta sexta (8).

O soldado Venerando estava na Corporação desde agosto de 2013. Ele deixa esposa e um filho. Ainda não há informações sobre o sepultamento do militar.

Com a morte do SD Leandro, chega a 7 (sete) o número de Agente de Segurança assassinados no Rio em 2019.

Quem tiver qualquer informação a respeito da identificação e localização dos assassinos do agente de segurança, favor denunciar pelos seguintes canais: Whatsapp ou Telegram Portal dos Procurados (21) 98849-6099; pelo facebook/(inbox), endereço: https://www.facebook.com/procurados.org/, pelo mesa de atendimento do Disque-Denúncia (21) 2253-1177, ou pelo Aplicativo para celular ? Disque Denúncia ? . O Anonimato é garantido.

Os agentes da DH buscam imagens de câmeras na região para tentar identificar a autoria do crime.

Todas as denúncias sigilosas sobre o caso serão encaminhadas ao Grupo de Ação Conjunta (GAC) - formado pelo Núcleo de Investigação de Morte de Policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (NIMP) e o Grupo de Pronta Resposta da Coordenadoria de Inteligência da PMERJ (GPRI) encarregadas do caso e que tem como prioridade prender os envolvidos na morte de agentes de segurança.