Compartilhe:



FOTOS:
 
Compartilhe:
Léo Bicudo
Leonardo Luiz Batista
Nascimento:
08/06/1975
RG:
RG Nº. (I.F.P.) 108.286.96 - 4
Natural:
Rio de Janeiro - RJ
Situação:
Capturado
Crimes:
Capturado

Evadido do Sistema Penitenciário Fugitivos/Vicente Piragibe

1 - Tráfico Ilícito de Substância Entorpecente (Art. 12 - Lei 6.368/76)
Facção:
Comando Vermelho - CV
Função:
Integrante do Tráfico de Drogas
Área de Atuação:
Morro da Providência - Centro - RJ
Histórico:
Prisão realizada por SISPEN - 22/07/2013

Aentes da Superintendência de Inteligência do Sistema Penitenciário (Sispen) do Rio de Janeiro prenderam, em parceria com a 21ª Promotoria de Investigação Penal (PIP), Leonardo Luiz Batista, também conhecido como "Aranha" ou "Léo Bicudo". Suspeito de participar do sequestro e morte da irmã do lutador Vitor Belfort, Priscila Belfort, ele acabou detido no bairro de Vila Isabel, na zona norte do Rio.

Histórico:


Leonardo Luiz Batista, o Aranha ou Léo Bicudo é procurado por ter fugido do Instituto Penal Vicente Piragibe – SEAPVP - que integra o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, Zona Oeste do Rio

A fuga que foi realizada, através de um túnel ligado à tubulação de esgoto do presídio, aconteceu no dia 03/02. A lista de foragidos, publicada pela Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap), tem alguns bandidos que comandavam favelas estratégicas para o tráfico de drogas, entre eles alguns do Complexo do Alemão, que já foi base da facção Comando Vermelho, atualmente ocupado por uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

Quatro detentos foram recapturados ainda no domingo. A Corregedoria da Seap abriu sindicância para investigar como ocorreu a fuga. Agentes que estavam de plantão na unidade prisional começaram a ser ouvidos. Ainda não se sabe se houve participação de funcionários ou facilitação da fuga. Segundo a Seap, o presídio não registrava uma fuga desde 2002.

Os quatro recapturados foram transferidos para a Penitenciária Laércio da Costa Pelegrino, conhecida como Bangu 1, também localizada dentro do Complexo de Gericinó - uma unidade de segurança máxima.

Leonardo Luiz Batista, um dos gerentes da quadrilha que agia no Morro da Providência, era um dos suspeitos de ter seqüestrado Priscila Belfort em 9 de janeiro de 2004. Ele foi preso em novembro de 2005, por agentes da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), escondido debaixo de sua cama. O traficante estava com as pernas feridas – segundo ele, devido a um acidente de moto.

À época Léo Bicudo vinha sendo investigado pela DRFC causa da suspeita de envolvimento no assassinato do inspetor da DP de Botafogo Emilio Ibrahim Dib. Na delegacia, o bandido declarou: “Sou traficante sim, mas não sou matador nem seqüestrador. Não sei nada sobre ela [Priscila]”. Ele ainda disse não saber nada sobre o boato de que o corpo da jovem estaria num túnel desativado na favela, nem sobre a hipótese de que sua quadrilha a teria levado para lá no dia do crime.

Contra Leonardo Luiz Batista, constam pelo Sistema de Cadastramento de Mandados de Prisão – Polinter – 5 (cinco) mandado de prisão, expedidos pelas seguintes Varas Criminais: 31ª Vara Criminal da Capital – expedido em 24/03/2011 e 19/09/2006 Lei 2252/54 - 01ª Vara Criminal da Capital – expedido em 01/10/2010 e 29/03/2007 e 2ª Vara Criminal de Duque de Caxias – expedido em 2001.021.011612-4

Pelo Sistema de Identificação Criminal, constam 5 (cinco) ocorrências: 4ª DP – 08/04/1998 – artigo 12 C/C artigo 18 INC III da Lei 6368/76, artigo 10§ 2º Lei 9437/97, artigo 1º Lei 2254/54 – Absolvido – 19ª Vara Criminal da Capital; 60ª DP – 14/08/2001 – Artigo 12 C/C artigo 18, III da Lei 6368/76 – Condenando a pena de 5 anos e 4 meses em regime fechado – 2ª Vara Criminal de Duque de Caxias; 10ª DP – 22/09/;2005 – artigo 121, § 2º IV do CP – 31ª Vara Criminal da Capital; DRFC – 21/11/2005 – artigo 16 § único da Lei 10826/03 – 31ª Vara Criminal da Capital; 10ª DP – 06/05/2005 – artigo 121, § 2º INC i C/C artigo 61 e I artigo 121 – condenado a pena de 19 anos em regime fechado – 1ª Vara Criminal da Capital.

Pelo Sistema de Identificação Penitenciário, consta que o apenado, ingressou em 04/09/1998 – indo cumprir pena no Presídio Ary Franco – SEAPAF -= saindo em liberdade em 13/08/1999 da Penitenciaria Jonas Lopes de Carvalho – SEAPJL - , Ingressou novamente em 25/11/2005 – Presídio Elizabeth Sá de Carvalho – SEAPSR - - -. Em 13/05/2011 ele recebeu o direito de regredir ao sistema semi-aberto, indo cumprir pena no Instituto penal Vicente Piragibe – SEAPVP -, quando em 03/02/2013 saiu em fuga pela tubulação de esgoto do presídio.

Pelo Sistema de Cadastramento de Ocorrências Policiais: 10ª DP – 2005 – Homicídio Provocado por Projétil de Arma de Fogo.

Processo nº: 0011863-51.2001.8.19.0021 (2001.021.011612-4)
Tipo do Movimento: Sentença
Descrição: Para os réus LEONARDO LUIZ BATISTA, fixo as penas tornando-as em definitivo em 08 (oito) anos de reclusão e ao pagamento de 90 (noventa) dias-multa, para o art. 12, caput, da Lei 6368/76 e em 03 (três) anos de reclusão para o crime do art. 10, parágrafo 2º da lei 9437/97 e ao pagamento de 60 (sessenta) dias-multa no valor mínimo legal, a ser atualizado quando da execução. ...Para o réu ANTONIO LUIZ DA SILVA MENDES, fixo as penas tornando-as em definitivo em 06 (seis) anos e 08 (oito) meses de reclusão e ao pagamento de 66 (sessenta e seis) dias-multa para o crime do art. 12, caput, da Lei 6368/76 e 02 (dois) anos e 06 (seis) meses de reclusão e 50 (cinquenta) dias-multa para o crime do art. 10, § 2º da lei 9437/97....Para os réus ADRIANO GOMES ALONSO e LEANDRO JOSÉ DOS SANTOS fixo as penas em definitivo em 09 (nove) anos e 04 (quatro) meses de reclusão e ao pagamento de 100 (cem) dias-multa no valor mínimo legal para o crime no art. 12, caput, da Lei 6368/76 e em 03 (três) anos e 06 (seis) meses de reclusão e 80 (oitenta) dias-multa no valor mínimo legal para o crime do art. 10, § 2º da lei 9437/97. A pena privativa de liberdade para o crime previsto no art. 12 caput c/c art. 18, III da Lei 6368/76 será cumprida integralmente em regime fechado... Decreto a perda das armas em favor da União, devendo as mesmas ser encaminhadas ao Ministério do Exército, na forma do art. 14 da lei 9437/97. Pagarão os réus em proporção as custas do processo e taxa judiciária. Transitada em julgado essa decisão, expeçam-se mandados de prisão, lance o Sr. Escrivão os nomes dos réus no Rol dos culpados, fazendo-se as comunicações pertinentes, inclusive ao INI, IFP, Delegacia de Entorpecentes, DP de origem, DESIPE, Distribuidor e expedindo-se Carta de Sentença à Vara de Execuções Penais. Após, arquivem-se os autos.

(Atualizado em 06/02/2013)
Processos Judiciais
ORIGEM
PROCESSO
EXPEDIÇÃO
Comarca da Capital /1ª Vara Criminal (Jac)
0051738-49.2005.8.19.0001
01/10/2010
Comarca da Capital/31ª Vara Criminal
0142038-57.2005.8.19.0001
19/09/2006
Comarca da Capital /31ª Vara Criminal
0142038-57.2005.8.19.0001
24/03/2011
Comarca de Duque de Caxias/2ª Vara Criminal
0011863-51.2001.8.19.0021
25/07/2005 - Lei 6368/76
Comarca da Capital/1ª Vara Criminal
0051738-49.2005.8.19.0001
29/03/2007
1