Compartilhe:



 
Compartilhe:
Uanderson
Uanderson Carvalho de Freitas
Recompensa:
R$ 1 Mil
Nascimento:
28/11/1988
RG:
RG Nº. (I.F.P.) 221.154.20 - 6
Natural:
Itaboraí - RJ
Situação:
Procurado
Crimes:
Tráfico de Drogas Quadrilha ou Bando

1 - Tráfico de Drogas e Condutas Afins (Art. 33 - Lei 11.343/06); Associação para a Produção e Tráfico e Condutas Afins (Art. 35 - Lei 11.343/06)

2 - Quadrilha ou Bando (Art. 288 - CP); Crimes de Tortura (Art. 1º - Lei 9.455/97)
Facção:
Comando Vermelho - CV
Função:
Integrante do Tráfico de Drogas
Área de Atuação:
Cidade Nova, Reta Velha e Reta Nova/Itaboraí
Histórico:
Uanderson Carvalho de Freitas é ligado à facção Comando Vermelho e faz parte do tráfico de drogas que age no bairro Cidade Nova em Itaboraí, que é controlado pelo traficante George Alves, o Anão.

A quadrilha age nas localidades de Nova Cidade, Reta Velha, Reta Nova e no Morro do Catiço. Em uma ação na Justiça, a promotoria, afirma que “o grupo não só vendia os entorpecentes, como também era responsável por todo processo de preparo, transformação, armazenamento e transporte das drogas até aos usuários”. De acordo com as investigações, José Ricardo Couto, conhecido como “Ricardo Paiol”, é o líder da quadrilha e, mesmo preso devido à outra ação penal, coordena as atividades ilícitas do grupo.

Contra Uanderson Carvalho de Freitas, consta pelo Sistema de Cadastramento de Mandados de Prisão – Polinter – 5 (cinco) mandados de prisão, expedidos pela Vara Criminal de Itaboraí, expedidos em 20/06/2012 e 25/06/2012 – processo nº 0007030-95.2012.8.19.0023 e processo nº 0010350-56.2012.8.19.0023, expedidos em 27/06/2012 e 23/05/2012.

Pelo Sistema de Identificação Criminal, consta uma anotação pela 71ª DP – 20/05/2012 – artigo 1ª inciso II da Lei 9455/97 artigo 288 § único do CP.

Pelo Sistema de Cadastramento de Ocorrências Policiais: 71ª DP – 20102 – Quadrilha ou Bando; 71ª DP – 2012 – Crime de Tortura e 71ª DP – 2012 – Tráfico de Drogas (Lei 11343/06).


Processo nº: 0010350-56.2012.8.19.0023
Tipo do Movimento: Decisão
Descrição: Recebo a denúncia, uma vez que os elementos dos autos fornecem a necessária justa causa. Cite(m)-se o(s) acusado(s) para responder(em) a acusação, por escrito, no prazo de 10 (dez) dias, como determina a atual redação dada ao CPP, onde poderá argüir preliminares, alegar tudo o que interesse a sua defesa, oferecer documentos, justificações, especificar as provas pretendidas e arrolar testemunhas, qualificando-as e requerendo sua intimação, quando necessário. Intime(m)-se /requisite(m)-se o(s) réu(s) para que, no momento da citação, especifique(m) se deseja(m) ser assistido pela DPGE ou se vai(ão) constituir advogado. Se o(s) acusado(s), quando da citação, declarar(em) que constituirá(ão) advogado, não apresentada a resposta no prazo legal, abra-se vista ao DPGE e, caso necessário requisite(m)-se o(s) acusado(s) para entrevistar-se com o Defensor Público, para que apresente a defesa prévia no prazo de 10 (dez) dias. Após voltem conclusos para designação de audiência. Defiro a promoção Ministerial. Expeçam-se as diligências necessárias. Após, com a apresentação da defesa, venham os autos conclusos para designação de audiência. O Ministério Público pugna pela decretação da prisão preventiva dos denunciados UANDERSON CARVALHO DE FREITAS, aduzindo, em síntese, estarem presentes os requisitos do artigo 312 do Código de Processo Penal. Assiste razão ao Parquet. Com efeito, os acusados foram denunciados pela prática de crime de alto potencial ofensivo, o que demonstra sua periculosidade. Ademais, os fatos em comento são graves, conspurcam a ordem pública, sendo que a modalidade delituosa atribuída aos réus tem intensa e preocupante incidência nesta Comarca, de modo a intranqüilizar o meio social e ensejar maior rigor em seu tratamento. Cuida-se, no caso em enfoque, de preservar a própria credibilidade da justiça que poderá restar abalada, caso não dispensado pronto, eficaz e rigoroso tratamento aos acusados de tão bárbaro, crime sendo certo que a liberdade dos acusados neste momento do processo causaria temor para as testemunhas deporem em juízo, de modo que prejudicaria, sobremaneira, a instrução criminal, podendo afetar eventuais depoimentos a serem colhidos em Juízo. Por fim, vale lembrar que se trata de crime grave que exige rápida resposta estatal, impondo-se a decretação da segregação provisória, para garantia da ordem pública e por conveniência da instrução criminal. Por conseguinte, DECRETO A PRISÃO PREVENTIVA, dos denunciados UANDERSON CARVALHO DE FREITAS, com fulcro nos artigos 312 e seguintes do Código de Processo Penal. Expeça-se mandado de prisão.

(Autualizado em 27/09/2012)
Processos Judiciais
ORIGEM
PROCESSO
EXPEDIÇÃO
Comarca de Itaboraí/Vara Criminal
0007030-95.2012.8.19.0023
20/06/2012 - Lei 11343 - 28 à 39
Comarca de Itaboraí/Vara Criminal
0007030-95.2012.8.19.0023
25/06/2012 - Lei 11343
Comarca de Itaboraí/Vara Crimina
0010350-56.2012.8.19.0023
27/06/2012 - Lei 9455/97
Comarca de Itaboraí/Vara Crimina
0010350-56.2012.8.19.0023
27/06/2012 - Lei 9455/97
Comarca de Itaboraí/Vara Crimina
0010350-56.2012.8.19.0023
23/05/2012 - Lei 9455/97
1