Compartilhe:



 
Compartilhe:
Jadeilson
Jadeilson Teixeira Silva
Nascimento:
23/03/1978
RG:
Nº - 10.812.856-2 - IFP/Detran
Natural:
Fortaleza das Nogueiras/MA
Situação:
Capturado
Crimes:
Estupro/Atentado Violento ao Pudor

Atentado Violento ao Pudor (Art. 214 - Cp), C/C ART. 224 LETRA "A" DO CP
Função:
Pedófilo
Área de Atuação:
Rio de Janeiro e Maranhão
Histórico:
Prisão realizada por: Polinter

PEDÓFILO FORAGIDO DO RIO DE JANEIRO É PRESO NO MARANHÃO

Uma ação conjunta entre o Disque Denúncia do Rio de janeiro e do Maranhão, resultou na prisão de Jadielson Teixeira Silva, de 34 anos, que foi preso na manhã da última quarta-feira (08), por investigadores da Polícia Interestadual do Maranhão (Polinter). O acusado que estava foragido do sistema prisional do Rio de Janeiro, pela prática de estupro, foi incluído no Programa Procurados do Disque Denúncia e foi alvo de cerca de cinco denúncias registradas na central do Maranhão. O crime foi cometido em 2009, contra uma menina de 5 anos.

Jadeilson Teixeira foi preso enquanto trabalhava como porteiro de um conhecido hotel em São Luís. Contra ele, um mandado de prisão expedido pela 2ª Vara Criminal de Bangu - RJ, já havia sido encaminhada para a Polícia do Maranhão, que vinha monitorando os passos do pedófilo.

Segundo informações policiais, o acusado é morador da Rua São Pedro, no Bairro João de Deus, foi conduzido à sede da Polinter, onde em depoimento informou que na época de sua prisão no Rio de Janeiro, estaria em uma festa na companhia de amigos, no Bairro do Relengo, e que, embriagado, teria abusado de uma criança de 5 anos. O Programa Procurados, divulga através dos meios de comunicação os principais criminosos foragidos do estado. Estimula a população, através da confecção de cartazes a reconhecer e denunciar o paradeiro desses criminosos. Visite o site www.procurados.org.br




Histórico:

Investigadores da Polícia Interestadual (Polinter) prenderam ontem, por volta das 10h30, em São Luís, o porteiro do Hotel Praia Ponta D'Areia, de 34 anos, natural de Fortaleza dos Nogueiras. Ele, segundo a Polícia Civil, estava foragido do sistema prisional do Rio de Janeiro, onde estava preso pela prática de estupro. O crime foi cometido em 2009, contra uma menina de 5 anos. A prisão se deu após informações serem repassadas ao Disque Denúncia [3223 5800 - capital e 0300 313 5800 - interior].

"Recebemos informações do Disque Denúncia sobre a localização do foragido e sua atual profissão, a de porteiro do referido hotel. Como já tinhamos recebiudo o mandado de prisão enviado pela Vara de Cartas Precátorias da Capital, fizemos um cerco na manhã de ontem, e o prendemos. Ele não ofereceu resistência", disse o delegado José Couto Júnior.

Jadeilson Silva, que é morador da Rua São Pedro, no João de Deus, foi preso em seu local de trabalho e conduzido à sede da Polinter, na Vila Palmeira. Em depoimento, o homem informou que na época de sua prisão no Rio de Janeiro estava em uma festa em companhia de amigos no bairro do Realengo, e qyue, embriagado, foi parar no banheiro da casa onde estava a vítima, filha de um colega. Jadeilson teria sido flagrado praticando atos libidinosos.

O mandado de prisão em desfavor do porteiro foi expedido pela 2ª Vara Criminal de Bangu - RJ. Ainda conforme a polícia, Jadeilson Silva trabalhava havia dois anos no hotel, cujo emprego conseguiu logo que retornou ao Maranhão, fugitivo do sistema prisional carioca. Depois de interrogado, o suspeito foi encaminhado à Casa do Albergado, no bairro Olho d'Água, onde aguardará transferência para o Rio de Janeiro.

Processo nº:

0011092-91.2010.8.19.0204
Tipo do Movimento:

Decisão; Mandado de Prisão

Descrição:

Junte-se o documento requerido pelo MP. Compulsando os autos, constato que razão assiste ao Ministério Público. Isto porque a natureza do delito somada às circunstâncias do fato evidenciam que a prisão do imputado é imprescindível para garantia da aplicação da lei penal. Ademais, o quantum apenatório supera o patamar estabelecido no inciso I, do novo art.313. Acrescente-se ainda que a necessidade da prisão cautelar funda-se em elementos concretos trazidos aos autos no presente caso. A própria natureza do delito, demonstra maior destemor, arroubo e certeza de impunidade, elementos concretos a demonstrar a adequação da medida em razão da gravidade do crime (Art. 282, II do CPP, com redação da Lei 12.403/2011). Pelo fio do exposto, Decreto a Prisão em Flagrante em Prisão Preventiva, o que faço com fundamento no Art. 310, II do CPP. Determino ao cartório a expedição de mandado de prisão. Cite-se como requerido pelo MP.
Processos Judiciais
ORIGEM
PROCESSO
EXPEDIÇÃO
2ª Vara Criminal/Capital
0011092-91.2010.8.19.0204
30/04/2010
1