Compartilhe:



FOTOS:
 
Compartilhe:
Capido
Edmilson Torres Martins
Nascimento:
13/01/0977
RG:
RG Nº. (I.F.P.) 110.922.54 - 9
Natural:
Rio de Janeiro - RJ
Situação:
Capturado
Crimes:
Capturados/UPP

Evadido do Sistema Penitenciário Tráfico de Drogas

1 - Tráfico de Drogas - Tráfico de Drogas e Condutas Afins (Art. 33 - Lei 11.343/06) E Associação para a Produção e Tráfico e Condutas Afins (Art. 35 - Lei 11.343/06)

2 - Roubo Majorado (Art. 157, § 2º - CP), I E II

3 - Homicídio Qualificado (Art. 121, § 2º - CP), incisos I, III e IV N/F Concurso de Pessoas (Arts. 29 a 31 - Cp)

4 - Roubo (Art. 157 - Cp), § 2°, I e II

Facção:
Amigos dos Amigos - A.D.A
Função:
Encarregado do controle dos pontos de venda maconha
Área de Atuação:
Catumbi e Estácio e Morro do Urubu
Histórico:
Prisão realizada por UPP/São Carlos - 24/04/2013

O traficante Edmilson Torres Martins,o Capido ou Rei do Fumo, foi preso por policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do São Carlos manhã do dia 24/04/, no Morro do Querosene,

Os PMs faziam uma operação de rotina no Querosene, quando receberam informações dos moradores sobre o paradeiro de Rei do Fumo. Segundo os agentes, ele estava com peças para granadas.

Histórico:

Edmilson Torres Martins, o Rei do Fumo, também conhecido pelo apelido de “Capido”, pertence a quadrilha de Anderson Rosa Mendonça, o “Coelho” (preso) e é ligado a facção Amigos dos Amigos – A.D.A – que controlava o tráfico de drogas no Complexo do São Carlos.

Em 2004, quando ainda Irapuan David Lopes, o Gangan, liderava do tráfico no Morro do Zinco, vários traficantes foram presos por policiais da 14ª DP (Leblon), entre eles estava Edmilson Torres. Eles foram presos num churrasco na Praia de Ipanema, altura do Posto 9. O bando era acusado de ter participado da ação que permitiu a fuga de quatro detentos do presídio Milton Dias Moreira, no Complexo da Frei Caneca, em 2004 quando 50 traficantes armados invadiram o Posto de Policiamento Comunitário da favela, próxima ao presídio, e renderam seis PM’s. A quadrilha confessou integrar o bando de Gangan, mas apenas quatro confirmaram ter participado da fuga do presídio.

Contra Edmilson Torres Martins, consta pelo Sistema de Cadastramento de Mandados de Prisão – Polinter – 14 (catorze) mandados de prisão, expedidos pelas seguintes Varas Criminais: 1º Vara Criminal da Capital – expedido em 13/07/2012 – CPB 306; 1º Vara Criminal da Capital – expedido em 13/07/2012 – CPB 121; 39ª Vara Criminal da Capital – expedido em 19/06/2012 – CPB 157; 17º Vara Criminal da Capital – expedido em 19/01/2012 – Lei 11343/06; 38ª Vara Criminal da Capital – expedido em 20/12/2011 – Lei 11343/06; 26º Vara Criminal da Capital – expedido em 03/06/2011 – CPB 157; 1º Vara Criminal da Capital – expedido em 24/11/2010 – CPB 121; 26º Vara Criminal da Capital – expedido em 06/10/2010 – CPB 157; VEP – Vara de Execuções Penais – expedido em 04/09/2008 – CPB 157; Outros – expedido em 10/07/2008 - 31º Vara Criminal da Capital – expedido em 15/06/2005 – Lei 6368/76; 31º Vara Criminal da Capital – expedido em 14/09/2004 – CPB 157; 31º Vara Criminal da Capital – expedido em 10/09/2004 – CPB 157; 31º Vara Criminal da Capital – expedido em 13/08/2004 – Lei 6368/76.

Pelo Sistema de Identificação Penitenciária, consta que apenado Edmilson Torres Martins, encontra-se na condição de Evadido do Sistema Penitenciário. Ele ingressou no sistema prisional em 15/10/2004, indo cumprir pena na Penitenciaria Jonas Lopes de Carvalho – SEAPJL - . Em 15/09/2006, ele passou para o regime semi-aberto, quando em 08/04/2007, saiu do Instituto Ismael Pereira Sireiro – SEAPIS – e não mais retornou a sua unidade prisional.

Pelo Sistema de Identificação Criminal, constam 5 (cinco) anotações: 6ª DP – 19/07/2004 – artigo 157 P 2, I e II (3x concurso formal) artigo 351 P 1 do CP e artigo 14 da Lei 6368/76 N/F do artigo 69 do CP – condenado a pena de 10 anos e 7 meses regime fechado – 31ª Vara Criminal da Capital; 6ª DP – 18/06/2008 – artigo 33 e artigo 35 da Lei 11343/06 – aguardando – 40ª Vara Criminal da Capital; 19ª DP – 03/07/2010 – artigo 157 do CP - aguardando – 26ª Vara Criminal da Capital; DECOD – 17/01/2011 – artigos 33 e 35 da Lei 11343/06 – aguardando – 17ª Vara Criminal da Capital; 6ª DP – 31/01/2012 – Roubo Majorado –artigo 157 – aguardando 39ª Vara Criminal da Capital.

No Sistema de Cadastramento de Ocorrências Policiais, constam: DECOD – 2010 – Tráfico de drogas – Lei 1134/06; DECOD – 2010 – Associação para o Tráfico de Drogas – Lei 11343/06 e 19ª DP – 2010 – Roubo a Estabelecimento Comercial.

Processo nº:
0020936-63.2008.8.19.0001 (2008.001.021043-4)
Tipo do Movimento:
Publicação de Edital
Descrição:
EDITAL DE CITAÇÃO (Com o prazo de 15 dias) O MM. Juiz de Direito, Dr.(a) Ludmilla Vanessa Lins da Silva - Juiz Auxiliar do Cartório da 1ª Vara Criminal da Comarca da Capital, Estado do Rio de Janeiro, FAZ SABER que o Promotor de Justiça Titular deste juízo, denunciou o nacional Edmilson de Oliveira Martins - Alcunha: Rei do Fumo - Nacionalidade Brasileira - Data de Nascimento: 31/01/1977 Idade: 35 - Filiação: RG: 11092254-9 Emissor: SSP/DETRAN - Endereço: Rua São Carlos, nº 1040 - Catumbi - Rio de Janeiro - RJ , acusado nos autos de nº 0020936-63.2008.8.19.0001 (2008.001.021043-4), oriundo do Registro de Ocorrência, nº 232/08 de 21/01/2008, da 6ª Delegacia Policial, como incurso no(a) Ação Penal de Competência do Júri - Homicídio Qualificado (Art. 121, § 2º - CP), incisos I, III e IV N/F Concurso de Pessoas (Arts. 29 a 31 - Cp), . Como não tenha sido possível citá-lo(a) e nem notificá-lo(a) pessoalmente, por se encontrar em local incerto e não sabido, pelo presente edital, cita e notifica o(a) referido(a) acusado(a) para responder aos termos da ação penal, por escrito, no prazo de dez (10) dias, conforme redação dada ao art. 396 do CPP pela lei 11719/08 ocasião em que poderá arguir preliminares e alegar tudo o que interessa à sua defesa, oferecer documentos e justificações, especificar as provas pretendidas e arrolar testemunhas, qualificando-as e requerendo sua intimação quando necessário e assistir os demais termos do respectivo processo, sob termo de revelia. E para que chegue ao conhecimento de todos e do referido acusado(a), foi expedido o presente edital. Rio de Janeiro, 19 de março de 2012. Eu, ______________ Sonia Gomes da Rocha - Responsável pelo Expediente - Matr. 01/6260, o subscrevo. Ludmilla Vanessa Lins da Silva - Juiz Auxiliar



Processo nº:
0202572-20.2012.8.19.0001
Tipo do Movimento:
Decisão
Descrição:
Proc. nº 0202572-20.2012.8.19.0001 DECISÃO Vistos. Autue-se. A denúncia preenche os requisitos previstos no art. 41 do Código de Processo Penal. O fato delituoso narrado na peça vestibular tem adequação à classificação delitiva lá constante. A peça exordial veio instruída com o procedimento policial, cujo teor demonstra a existência de indícios de autoria e prova de materialidade delitiva. Presente, portanto, a justa causa para oferecimento da denúncia. Não vislumbro, no caso em tela, nenhuma das hipóteses previstas no art. 395 do Código de Processo Penal. Sendo assim, RECEBO a denúncia. Cite-se o réu para que apresente resposta à acusação, na forma do art. 396 do Código de Processo Penal, no prazo de 10 (dez) dias. Se o réu manifestar o desejo de ser patrocinado pela Defensoria Pública, deverá ser imediatamente encaminhado ao Gabinete daquele órgão, para que seja entrevistado. Deverá constar no Mandado de Citação que transcorrido, in albis, o prazo acima mencionado, será nomeada a Defensoria Pública, que terá vista dos autos, para apresentar resposta no mesmo prazo acima mencionado. A Folha de Antecedentes Criminais deverá ser requisitada para que seja apresentada no prazo de 05 (cinco) dias e, o mesmo se diga em relação aos laudos periciais e Histórico Penal, se for o caso. Transcorrido o prazo acima, in albis, deverá o Cartório extrair os necessários Mandados de Busca e Apreensão dos documentos faltantes, mais precisamente FAC e Laudos Periciais, este último se for o caso. A Autoridade Policial representou pela decretação da prisão preventiva (fls. 28/29), o que teve parecer favorável do Ministério Público (fl. 36). Com efeito, verifico, pelo que consta destes autos, há necessidade da decretação da custódia cautelar do réu. Indiscutível a materialidade delitiva. Há indícios suficientes de autoria, considerando o teor da declaração prestada pelo lesado (fls. 10/11), bem como pelo auto de reconhecimento (fl. 18). Presentes os pressupostos cautelares, quais sejam, o fumus boni iuris e o periculum in mora. Justifica-se a decretação da prisão preventiva, como garantia da ordem pública, uma vez que, considerando os elementos constantes neste Inquérito, o réu em liberdade continuará a delinqüir, pondo em risco a sociedade, que já se encontra saturada pelo elevado índice de criminalidade que assola este Estado. Note-se que o réu ostenta várias anotações criminais, bem como condenação por criem da mesma natureza, o que demonstra que o réu tem a personalidade voltada para a criminalidade. Importante também, para assegurar a aplicabilidade da Lei Penal, na hipótese de condenação, pois o réu em liberdade certamente tudo fará para se esquivar da ação da Justiça e, finalmente, por conveniência da instrução criminal, pois poderá influenciar negativamente na colheita da prova, como, por exemplo, ameaçando o lesado. Isto posto, DECRETO a prisão preventiva do réu EDMILSON TORRES MARTINS, como requerido pelo Ministério Público e, pelas razões acima expostas. Expeça-se Mandado de Prisão Preventiva em desfavor do réu, na forma da Resolução nº 137/2011, devendo constar a data presumida para cumprimento de acordo com a prescrição em abstrato, ou seja, a data de 28/05/2012. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2012. Ricardo Coronha Pinheiro - Juiz de Direito -

(Atualizado em 27/08/2012)

1