Compartilhe:



FOTOS:
 
Compartilhe:
Canário
Moises Camilo de Lucena
Nascimento:
23/10/1987
RG:
RG Nº. (I.F.P.) 278.309.661
Natural:
Não Informado
Situação:
Capturado
Crimes:
Capturado

Estupro/Atentado Violento ao Pudor

1 - Estupro de vulnerável - Art. 217-A. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor (Incluído pela Lei nº 12.015, de 2009)
Facção:
Comando Vermelho - CV
Função:
Integrante do Tráfico de Drogas
Área de Atuação:
Morro São João (Engenho Novo), Jorge Turco, e Morro do Barão (Jacarepaguá) - RJ
Histórico:
Hoje Dia 07/06/16 - O titular da Vara de Execuções Penais (VEP), juiz Eduardo Oberg, revogou nesta terça-feira, dia 7, a liberdade condicional de Moisés Camilo de Lucena, conhecido como Canário. Ele é um dos acusados de envolvimento no estupro coletivo de uma adolescente de 16 anos, no Morro da Barão, na Zona Oeste do Rio. Canário responde a crimes de roubo e porte ilegal de calibre restrito. A liberdade condicional foi dada em fevereiro.

Na mesma decisão, o titular da VEP também determinou a expedição de um mandado de prisão contra Canário e a regressão de cumprimento da pena, de mais de quatro anos de prisão, do sistema aberto para o semiaberto.


Histórico:

Moises Camilo de Lucena, O Canário é ligado á facção Comando Vermelho e faz parte do tráfico de drogas que nos morros do São João, em Engenho Novo, Jorge Turco, e também do Morro do Barão, em Jacarepaguá.

Ele é um dos envolvidos do estupro coletivo contra uma adolescente de 16 anos foi reconhecido pela vítima na última segunda-feira como sendo o homem que a segurava no momento em que ela despertou no quarto, conhecido como “abatedouro”, no alto do Morro do Barão, na Praça Seca, na Zona Oeste do Rio. Ele possui quatro anotações criminais por crimes como tráfico, roubo e porte ilegal de arma.

Pela Justiça, ele foi condenado a três anos e seis meses de prisão, em regime semiaberto, por assalto à residência, com reféns, ocorrido em Bangu, em junho de 2010. Em 2013, foi preso em flagrante por porte ilegal de armas acusado da prática de roubo conhecido como “saidinha de banco”. Foi condenado a quatro anos e oito meses de prisão em regime fechado. Em janeiro deste ano, teve a prisão relaxada pela Justiça, processo nº: 37602-03.2012.8.19.0001.0005, pelo crime de tráfico de drogas.
Pelo Banco Nacional de mandados de Prisão – CNJ e Sistema de Cadastramento de Mandados de Prisão – Polinter – consta um mandado de prisão, nº: 176150-66.2016.8.19.0001.0007, pelo crime de Estupro de vulnerável


(Atualizado em 06/6/2016)
Processos Judiciais
ORIGEM
PROCESSO
EXPEDIÇÃO
Regional de Jacarepaguá/2ª Vara Criminal (Jac)
0176150-66.2016.8.19.0001
02/06/2016
1