Compartilhe:



FOTOS:
 
Compartilhe:
Juan
Juan Rodney da Silva
Recompensa:
R$ 1 Mil
Nascimento:
11/01/1989
RG:
RG Nº. (I.F.P.) 215.252.297
Natural:
Queimados - RJ
Situação:
Procurado
Crimes:
Roubo - Assalto a Mão Armada

1 - Roubo Qualificado C/c Lesão Corporal Grave (Art. 157, § 3º, 1ª Parte - C. P.)
Função:
Assaltante
Área de Atuação:
Queimados - RJ
Histórico:
O Portal dos Procurados divulga nesta terça-feira, dia 28/07, cartaz com recompensa de R$ 1 mil reais, por informações que levem a prisão de Juan Rodney da Silva, 26 anos. Ele é suspeito de ter participado do assassinato José Reinaldo Chaves, de 58 anos, durante uma tentativa de roubo a uma loja de matérias de construção, no dia 10 de outubro de 2014, em Queimados, na Baixada Fluminense. A Delegacia de Homicídios da Baixada – DHBF – também está procurando um criminoso de vulgo Paizão, que também teria participado do crime.

No dia do crime, por volta das 20h27min, os supostos assassinos sentam em uma mesa de um bar, que fica em frente ao local onde o comerciante foi assassinado. Perto das 21h00minh, os assassinos esperam a saída do último funcionário da loja que é justamente José Reinaldo, funcionário por 20 anos, que é assassinado.

Nesta terça-feira, a Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) prendeu Marlon Barreto da Silva, de 19 anos. Ele confessou ter efetuado dois disparos contra José Reinaldo, Ainda segundo o delegado DR Fábio Cardoso, Marlon contou que estavam atrás de R$ 150 mil que estariam no cofre da loja.

Em desfavor de Juan foi expedido um mandado de prisão, pelo Juízo do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, Cartório do Plantão Judicial, mandado nº: 308906-73.2015.8.19.0001.0001, datado em 28/07, assunto: Crimes contra o Patrimônio, com pedido de prisão temporária de 30 dias. Em sua ficha criminal, constam ainda anotações por roubo majorado, ameaças, roubo no interior de residência e homicídio provocado por projétil de arma de fogo.

Quem tiver alguma informação a respeito Juan Rodney da Silva, e do outro criminoso de vulgo Paizão, envie uma mensagem de texto, vídeo ou fotos para o aplicativo de mensagens do WhatsApp do Portal dos Procurados (21) 96802-1650, ou entre em contato com a Central Disque-Denúncia pelo (21) 2253-1177 ou 0300-253-1177, para quem estiver fora da capital.

O Anonimato é garantido. A Coordenação do Portal dos Procurados, alerta à população para não investigar por conta própria, devendo apenas relatar à polícia a sua suspeita. Todas as informações sobre o caso estarão sendo encaminhadas para Delegacia de Homicídios da Baixada – DHBF -, que está encarregada do caso.

Mandado de Prisão:

Processo nº: 0308906-73.2015.8.19.0001
Tipo do Movimento: Decisão
Descrição: Trata-se de representação formulada pelo Dr. Delegado de Polícia da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense, nos autos do IP nº 861-01446/2014, no sentido de que seja DECRETADA A PRISÃO TEMPORÁRIA de MARLON BARRETO DA SILVA, (preso) JUAN RODNEY DA SILVA e PAULO CESAR SANTOS, vulgo ´botinho´(preso). Versam os autos ora analisados sobre a violação da norma proibitiva insculpida no Art. 157, § 3º do Código Penal. O fato, originalmente capitulado como Art. 121, § 2º do CP, se deu aos 11.10.2014, vitimando fatalmente, por PAF's, José Reinaldo Chaves. Dos autos do Inquérito Policial constam, dente outros, Registro de Ocorrência (fls. 4); Guia de Remoção de Cadáver (fls. 7); Relatório de Local de Homicídio (fls. 9/12), acompanhado das fotografias de fls. 13/17; Termo de Declaração do filho da vítima (fls. 18/19); Informação sobre Investigação - Preliminar (fls. 21/22 e 25); Fotografias extraídas de câmeras (26/34); Termo de Declaração do empregador da vítima (fls. 35/37); Termo Circunstanciando nº 055-03981/2014 (fls. 38/39); Fotografias extraídas de câmeras (fls. 40/50); Promoção do MP junto a 3ª CI (fls. 55); Termo de Declaração de funcionário do Estabelecimento em que o falecido trabalhava (fls. 58); Termo de Declaração da viúva da vítima (fls. 59); Informação sobre Investigação - Preliminar (fls. 60); Pesquisa junto ao Portal da Segurança do Estado do Rio de Janeiro quanto a Marlon, seguida de fotografias (fls. 62/67); Termo de Declaração de Marlon (fls. 68/70); Pesquisa junto ao Portal da Segurança do Estado do Rio de Janeiro quanto a Juan Rodney da Silva (fls. 71/72); Auto de Reconhecimento de Objeto feito por Marlon quanto: - às vestes que trajava no dia do crime (fls. 74); - às suas imagens captadas por câmeras na cena do crime (fls. 75); - quanto às fotografias de Juan Rodney da Silva (fls. 76); Registro de Ocorrência Aditado para a qualificação do Autor e adição de itens apreendidos (fls. 77/79); Pesquisa junto ao Portal da Segurança do Estado do Rio de Janeiro quanto a Paulo Cesar Santos (fls. 80/81); Registro de Ocorrência Aditado nº 090-04262/2014, referente a crime de roubo duplamente qualificado, figurando Paulo Cesar como um dos Autores (fls. 82/85); Registro de Ocorrência Aditado para a inclusão do nome dos Autores (fls. 86/91); Auto de Reconhecimento de Objeto feito por Marlon quanto à fotografia de Paulo Cesar (fls. 92) e Representação por Prisão Cautelar Temporária em desfavor dos três Indiciados (fls. 93/100). Por importante e oportuno, consigno que, graças a informes recebidos naquela Especializada, (consoante Relatório Preliminar firmado pelo Dr. Del Pol e encaminhado, via Fax, ao Cartório da Serventia do Plantão), Marlon Barreto da Silva foi identificado, sendo as suas características fisionômicas coincidentes com aquelas de um dos indivíduos filmados e retratados às fls. 45. Instada a manifestar-se, a Ilustre Dra. Promotora de Justiça aquiesceu com o pedido, nos termos da promoção retro. Assim, localizado, Marlon prestou declarações em Sede Policial, narrando, às fls. 68/70, com riqueza de detalhes, a sua eficaz participação no latrocínio que vitimou José Reinaldo Chaves, bem como declinando o nome de seus comparsas, Juan Rodney e Paulo Cesar, os quais reconheceu por fotografias. É O BREVE RELATÓRIO. DECIDO. Após atento exame dos autos, verifico que o pedido em questão é juridicamente possível, tendo sido devida e fundamentadamente formulado, consoante determina a Constituição Federal no Art. 93, IX e Lei 7.960/89, havendo sérias indicações de que as providências ora requeridas serão de extrema valia à completa elucidação dos fatos, que, motivados pela cobiça ao patrimônio alheio, ceifou, de modo violento, a vida de um ser humano. Ocorrências tais cada vez mais frequentes e cruéis, trazem fundada insegurança às pessoas que vivem de modo ordeiro e civilizado. Os alarmantes números das estatísticas desafiam todos aqueles que laboram, direta ou indiretamente, na contenção da violência. Não se intimidam os delinquentes com os esforços dos Órgãos ligados à Segurança Pública. Outrossim, é de se ter como valioso o relato feito por Marlon, tanto admitindo a sua decisiva participação, como minudenciando todo o passo-a-passo da empreitada criminosa, que foi motivada pela busca do ganho fácil. Propicia tal meio de prova substancial fundamentação à providência constritiva pleiteada pela i. Autoridade Policial, coadunando-se com a Lei e com o bom-senso, sendo ela imperiosa ao desenvolvimento, bem como aos propósitos inquisitoriais. Merece, pois, acolhimento. Realmente, presente está o fumus boni iuris, na medida em que as informações coligidas pela diligente Autoridade Policial, endossadas pelo Presentante do MP, revelam-se críveis. Apresentam-se elas ponderadas e pertinentes, sendo jurídica e legitimamente possível a providência pretendida. Presente se faz igualmente o periculum in mora, posto que eventual delonga na realização da diligência poderá importar na frustração do cabal esclarecimento dos fatos e, consequentemente, na impunidade do crime. De semelhante modo, o fumus comissi delicti encontra-se caracterizado, eis que indubitável o cometimento do crime e indícios razoáveis de autoria, a justificar a medida constritiva, à luz dos elementos indiciários já alcançados. O periculum libertatis está também configurado, por se tratar de Indiciados que registram anotações criminais. É de se ter, portanto, que são eles pessoas inadaptadas à vida ordeira e livre. Ressalto que o acontecimento que vitimou fatalmente JOSÉ REINALDO CHAVES é mais uma repetição da violenta criminalidade, que não se contenta em vulnerar o patrimônio alheio, optando pela mais drástica forma de ação, desafiando todos os Órgãos incumbidos da Segurança Pública. A cada nova prática similar, vê-se que não se intimidam os delinquentes em continuar a agir, mais e mais e, sempre mais cruelmente. Face ao exposto, DECRETO A PRISÃO TEMPORÁRIA de MARLON BARRETO DA SILVA, JUAN RODNEY DA SILVA e PAULO CESAR SANTOS, vulgo ´Botinho´ , qualificados nos autos, por 30 (trinta) dias, nos termos do Art. 1º, incisos I e III, alínea ´c´, da Lei 7.960/89 e Arts. 1º, inciso II, e 2º, § 4º, ambos da Lei 8.072/90. Expeçam-se Mandados de Prisão Temporária e cumpram-se. Observe a Autoridade Policial que, ultrapassado o lapso temporal retro fixado (trinta dias), uma vez não renovada a providência constritiva, deverão os Indiciado ser postos imediatamente em liberdade, sob pena de configurar crime de ABUSO DE AUTORIDADE. Extraídas as diligências, remetam-se os autos à Especializada para que dê prosseguimento às investigações, encaminhando-se cópia de todo o processado à Vara Criminal de Queimados, RJ. Rio de Janeiro, 28 de julho de 2015, às 03:14 horas.



(Atualizado em 28/07/2015)
Processos Judiciais
ORIGEM
PROCESSO
EXPEDIÇÃO
Comarca da Capital Vara do Plantão Judicial
0308906-73.2015.8.19.0001
28/07/2015
1