Compartilhe:



FOTOS:
 
Compartilhe:
Eduardo
Eduardo Souza da Silva
Nascimento:
11/10/1987
RG:
RG Nº. (I.F.P.) 209.214.790
Natural:
Rio de Janeiro - RJ
Situação:
Capturado
Crimes:
Capturado

1 - Crime de Tortura (Artigo 1º - Lei 9.455/97) inciso II, § 3º, ultima parte e § 4º, inciso II, ultima parte.
Área de Atuação:
Morro do Juramento - Vicente de Carvalho - RJ
Histórico:
Eduardo Souza da Silva é procurado por ter um mandado de prisão, expedido pela 29ª Vara Criminal da Capital, pelo crime de tortura qualificada.

No dia 30 de agosto de 2013, no Morro do Juramento, o menino Rodrigo Lorran Marins da Silva, de apenas 1 ano e 5 meses, foi espancado até a morte. O padrasto Eduardo Souza da Silva é acusado de espancá-lo brutalmente.

Parentes contaram à polícia que ele desapareceu desde a morte do bebê. A mãe, Renata Marins da Silva, também fugiu de casa, deixando para trás o outro filho, de 3 anos, que está sendo criado pela avó materna.

A criança chegou a ser levada pela mãe à Clínica da Família, em Tomás Coelho. A versão de que Rodrigo tinha se ferido ao cair da escada despertou suspeitas na médica. Com hematomas espalhados pelo corpo, o bebê foi levado às pressas ao Hospital Souza Aguiar, no Centro. Mas não resistiu aos ferimentos e morreu em decorrência de traumatismo abdominal, com rompimento do fígado. De acordo com o laudo do IML, o bebê morreu após levar pancadas nas costas e peito, com instrumento contundente.

O padrasto não teria ido ao enterro da criança, no Cemitério de Inhaúma. O exame de corpo de delito derrubou a versão contada pela mãe.

Mãe e padrasto foram indiciados por tortura com resultado morte, com pena de até 20 anos de prisão.

Segundo informações, Renata Marins teria sido vista num baile funk no Morro da Serrinha, em Madureira, após a morte de seu filho. Segundo versão contada informalmente por uma testemunha à polícia, ela estaria com medo de morrer e poderia estar sendo ameaçada pelo companheiro. O filho mais velho de Renata, de 3 anos, é filho de Eduardo. O casal rompeu o relacionamento pouco depois do nascimento da criança. Quando reataram, ela estava grávida de 4 meses de outro companheiro.

(Atualizado em 26/11/2013)
Processos Judiciais
ORIGEM
PROCESSO
EXPEDIÇÃO
Comarca da Capital/29ª Vara Criminal
0387607-19.2013.8.19.0001
11/11/2013 - Lei 9.455/97 - 1
1